Da amizade…

Sempre defendemos os amigos. Isso é fato. O problema é quando a defesa ultrapassa a conversa. Explico.

Na semana passada, fui comentar um caso de um conhecido com uma amiga dele. Sabia que ela defenderia ele. Só não esperava que isso ocorresse da forma que ocorreu.

Comecei a contar a história, pois incluía críticas profissionais e eu achava que ele deveria saber e ter o direito de se defender (direito esse que ele abriu mão, mas sem saber que as críticas apareceriam). Explicando melhor: ele dá aula no mesmo lugar que eu e não quis participar do “grupo da turma no Facebook”. Só que os alunos meteram o pau nele no grupo e eu vi. Achei que ele deveria saber.

O detalhe é que, ao começar a falar, ela veio com mil pedras na mão, dizendo que ele não tem obrigação de estar no grupo (e não tem mesmo), que o Facebook é uma página pessoal dele (o meu também é, certo) e que se os alunos têm problemas, que deveriam falar diretamente com ele, no horário de aula, que é o momento que ele é pago para resolver pendências.

Entendo e concordo. Mas ela não me deixou dizer isso. Simplesmente saiu “atacando”, dizendo que se eu dispunha do meu tempo pessoal para estas coisas, o problema era meu. Que ele não faria isso e ela, no lugar dele, também não.

A questão não foram os argumentos – afinal, cada um terá uma opinião sobre este assunto! – mas a forma da conversa.Foi agressiva, me deixou super na defensiva. E não me deixou explicar.

Aí fiquei pensando: até que ponto não ajo assim quando quero defender alguém – ou alguma ideia? O quanto me coloco impositiva quando deveria ouvir e trocar ideias? Qual é o limite da tolerância das pessoas às críticas – a elas mesmas ou às pessoas de quem gostam?

Coisas para pensar!

Pela estrada

Hoje fui a Lomba Grande, aqui do ladinho. Na verdade é um bairro de Novo Hamburgo. No caminho, a vista é linda. E eu, que adoro dirigir por ai, aproveitei o passeio.
Estamos no inverno, mas o frio não está marcando presença. O clima anda tão destemperado que as flores já chegaram. E falta um  mês pra primavera.

image

Aqui em casa também temos flores. Meus vasinhos estão florescendo, as orquídeas grudadas nas árvores também. É tudo tão lindo que me encanta o frio, o inverno, mas o colorido das flores me faz acreditar mais no futuro, na beleza da vida, no amor.

Eu, que ando tão desacreditada nessas coisas da vida, sinto algo estranho, bonito, feliz, que não condiz com o que bate aqui dentro.

Vai entender…

Ler, entender, pesquisar, pensar…

“Nenhuma pessoa consegue ser imparcial. Por que a Veja seria? Por que ela não defenderia a linha editorial que acredita? E mais: Carminha e Nina na capa são reflexo da sociedade. Não se fala dela em todos os cantos, nas ruas, nos ônibus, nas redes sociais? Por que a Veja não falaria? Para ser mais culta e “acadêmica”? A Academia também fala de produtos de cultura de massa. E pra quem não leu a matéria, recomendo! Mais do que falar da novela, fala sobre o vingança de uma forma super interessante, com fontes que vão além da Rede Globo.”

“Mas, pra quem não leu, fica a dica: a matéria usa a novela como pano de fundo para trazer a tona os debates que sua veiculação em tv aberta está proporcionando.”

(extraído do meu mural no Facebook)