Sim, são 20 anos…

Para ler esse post, sugiro a seguinte trilha sonora:

(todo mundo sempre gostou mais do rosa, mas como meu favorito é o preto e esse post é meu, mantive a cantora e escolhi a minha música favorita!)

Ok, dá o play e vamos lá!

Depois de um encontro muito lindo na sexta, uma celebração a vida, como bem definiu o anfitrião, me dei conta de que estamos completando exatos 20 anos dessa bagunça toda. A prova está aí embaixo (torrando o filme em 3…2…):

pio
2º colegial – 1994

Recapitulando: eu entrei no Pio XII em 1993. Foi o ano que conheci a Deni, o Be e mais gente que já era de lá, reencontrei a Carol (que veio comigo da Fundação). Aprontamos. Zoeira sem limite, como sempre – e até hoje! Também foi o ano que meu irmão morreu, mas a conversa aqui é pra ser alegre, então pularei essa parte!

No ano seguinte, a Deni foi pra Feevale, a Carol pra outra turma e eu e o Be ficamos por ali. E eu conheci uma gente legal, mas que – sim, eu lembro! – tinha um certo estranhamento em relação a nós! Até porque éramos beeeeem estranhos no primeiro ano, não nego. Mas a gente era legal… 😉

Foi tudo meio amor à primeira vista! Luli, Roberto, Jamile (que não estava na turma da escola, mas que era da “turma”), Fabi Paiva, Scheila, Bio, os guris Duda e Fael… Todo mundo junto. Todo mundo o tempo todo junto.

Trabalho de Religião do Mário? Vamos fazer um filme!

Tem que estudar pra Matemática? A Fabi ensina na casa dos guris.

Cada dia era uma experiência nova, um momento novo, uma pessoa nova chegava. Assim, fomos agregando: Maicon, Pati Strich, Xuni, Pati Carol, Lilian, Samy, Tati Campos, Sandro, Xandi… Na verdade eu tenho CERTEZA que tô deixando uma galera de fora, mas gente, sério, são 20 anos. A gente esquece de nomes (ainda mais que estou escrevendo em Ribeirão Preto, bem longe dos meus álbuns de fotos queima-filme)! Então, desculpem-me!

P.S.1: um beijo especial pras mães, que nos aguentaram esse tempo todo! As duas mães Rosa, as três mães Vera, a mãe Elaine…

Gepio?
Gepio?

E teve o Grêmio Estudantil! Reuniões fora de hora, organização de festas, concentração… Escolha da Garota Pio XII, Carnaval de Inverno… Tudo era motivo pra gente ficar juntos!

O ano terminou, teve gente que passou, gente que rodou, gente que trocou de escola. E tudo continuou do mesmo jeito: Under todo findi, tardes intermináveis no shopping, … Muito colo, muito choro, muito ciúme e muita briga. Gente nova entrou no grupo, gente velha saiu, até que cada um tomou seu rumo.

 

… e parece que não passa…

 

E agora a gente é assim...
E agora a gente é assim…

Eu comecei falando dos 20 anos, né? E sabem o que mais me surpreende? Que parece que o tempo não passou!

Não estou dizendo que as rugas e os brancos não chegaram… Sim, eles estão aí!

Mas sabe quando tu conversa com uma pessoa e parece que o tempo não passou? Quando parece que tudo continua igual?

O tempo foi um anjo com a gente, com certeza!
O tempo foi um anjo com a gente, com certeza!

Sim, eu sei que nesse tempo, a gente ficou longe, a gente se observou pelo Orkut, pelo Facebook… E eu sei que eu não estava lá quando os nenês da Luli, da Jami e da Pati nasceram, quando a Xuni foi operada, quando as crianças do Roberto chegaram… Eu não estive lá muitas vezes, assim como coisas que aconteceram comigo – boas e ruins – foram perdidas por todos.

Mas, não sei porque, parece que isso não faz tanta diferença assim. Porque o que a gente sente é maior do que o tempo e a distância. E por isso, quando a gente se vê, as conversas começam no hoje: a gente se atualiza naquelas de, um ou dois anos atrás; a gente fala das nossas histórias tristes – e felizes – como  se todos soubessem, como se todos estivessem o tempo todo lá.

Alguém explica isso? Alguém tem uma palavra que defina isso?

Eu só encontro um trio de palavras, que hoje fica super claro pra mim, de uma forma que naquele tempo não era possível: AMOR DE IRMÃO!

Beijo pra vocês!

 

Anúncios

Uma novidade nem tão nova assim: minha coluna no Papo de Marketeiros

Pra quem não sabe, trabalho com gestão, produção de conteúdo e monitoramento de mídias sociais. Além disso, dou aulas na pós em Marketing Digital no Iergs, em Porto Alegre (RS), onde já falei sobre produção de conteúdo, monitoramento e métricas e planejamento e gerência de projetos.

Estou contando isso pra divulgar outra coisa legal: compartilho um pouco disso tudo, das minhas leituras e, principalmente, experiências enquanto usuária no site Papo de Marketeiros, onde assino uma coluna quinzenal. Comigo no projeto tem uma galera muito legal, muito experiente e cheia de boas ideias e pontos de vista sobre essa vida digital.

 

Quer ler o texto dessa semana? Clica na imagem!
Quer ler o texto dessa semana? Clica na imagem!

 

Acha legal? Se interessa? Então segue a página do Papo no Facebook pra conferir as atualizações.

E o tempo, que passa cada vez mais rápido?

tempo

Estou cada dia mais assustada com o quanto que o tempo voa. Sim, ele voa, corre, vai a pau no asfalto da vida. Sim, eu sei que não é ele que voa e sim nós que queremos fazer cada vez mais coisas no mesmo tempo, mas o assombro é o mesmo – porque isso já foi possível, um dia!

Parece que foi ontem que eu parei e rabisquei algumas metas pro ano, alguns objetivos simples de cumprir. Foi logo após a virada do ano, quando voltei da praia, antes de retomar o trabalho pós-recesso. E ai, o que aconteceu?

Hoje me dei conta de que, de lá pra cá, já passaram três meses. Sim, estamos em abril e essas coisinhas simples não andaram como deveriam. Fiz coisas importantes? Sim! Realizei alguns desejos que demandam mais tempo, mais dinheiro? Sim!

Mas e o resto? E as coisas grandes?

tempo 1

Ficaram paradas, em tópicos de uma lista (drama mode on) infinita (drama mode off) de afazeres. Vamos a um exemplo beeeem simples: queria tornar esse espaço mais útil, deixar redes sociais de lado e usar meu blog, meu canto, para pensar, falar, refletir e até xingar e elogiar.

É claro que o fato de eu me dar conta disso e estar aqui, hoje, escrevendo, não fará milagres. Preciso, sim, organizar o tempo, fazer com que tudo se torne possível. E que, no meio disso tudo, eu possa viver, amar e, muito, ser feliz!