Problematizar a fala do amigo no Facebook a partir da linguística: #quemnunca

Eu deveria estar preparando uma aula, mas li um post de um amigo e tive que parar pra refletir (ou seja, problematizar! hehehe) sobre o que ele disse:

“Mas agora o que eu quero é tentar nunca mais votar em pessoas que têm uma agenda particular, apenas isso.”

Minha primeira resposta, simplista, foi:

“Com essa demanda vai ser difícil achar em quem votar… Infelizmente, mas será!”

Eu penso isso porque não consigo acreditar em isenção. A gente pode dizer que faz “pelo povo, pelo bem do outro, pela justiça, pela lei”, mas sempre tem um EU ali escondido. Se eu quisesse teorizar, mas já teorizando, usaria Charaudeau pra dizer que, apesar de eu me colocar como enunciador (o ser de fala), eu tenho por trás (sem piadas, ok!) um locutor (que é o sujeito comunicante, o ser social, aquele que traz todo um repertório de vida, de estudo, que influencia no que eu falo). Da mesma forma, do outro lado, quem me ouve é um destinatário que tem, por trás, um receptor, um ser social interpretante que também carrega todo um repertório.

Charaudeau - ato de linguagem
Charaudeau explica que todo ato de linguagem tem dois circuitos de produção de saber: o da fala configurada (espaço interno que o “dizer” e os seres de fala) e o externo à fala configurada (espaço externo que reúne os seres agentes instituídos como imagem de sujeito comunicante e interpretante)

Assim, entendo que mesmo que o candidato lá diga que quer governar pelo nosso bem, sem interesses, ele tem sim um interesse pessoal, a agenda que interessa a ele, aos partidários, à ideologia que ele representa.

Eu tenho um candidato a vereador (prefeito ainda não consegui escolher entre as belezuras que concorrem aqui na cidade). Ele defende determinadas pautas nas quais eu acredito. Conheço ele desde criança e sei que ele é uma boa pessoa. Mas, independente disso tudo, sei que as escolhas das pautas dele fazem parte de uma agenda pessoal. Quando ele, vereador em exercício, se coloca em oposição ao governo atual, é porque está defendendo essa agenda. Se eu voto nele, concordo com a agenda pessoal dele, por mais que ele possa vir a dizer (nunca o vi fazendo isso) que não faz por si mas sim pelos eleitores.

A quem se interessar mais sobre o assunto, recomendo a leitura do texto Pathos e Discurso Político.

Agora, pra fechar: Glauco, discordei de ti mas a gente ainda pode tomar cerveja no fim de semana, né? Não esquece disso:

dilma e aecio sorrindo

Anúncios

Autor: Poli Lopes

Jornalista diplomada, passei por agência de marketing digital, jornal, rádio, revista e assessoria de imprensa, sempre escrevendo. Doutoranda e Mestre em Processos e Manifestações Culturais, também sou professora no MBA em Marketing Digital no Iergs (Uniasselvi). Sou apaixonada pelo que faço e também pelo meu marido e pelo meu cachorro.

2 comentários em “Problematizar a fala do amigo no Facebook a partir da linguística: #quemnunca”

Diga o que achou

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s